Pesquisar este blog

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

Um Submisso Real

Sim, temos necessidades. 
Sim, temos expectativas.
Sim, nos frustramos também!

Sinto-me mais cansado quando não me sinto útil, quando deixamos a rotina de um relacionamento tomar conta. 
O esquecimento de minha utilidade me é confuso.

Quero sentir-me útil para minha Dona, quero que Ela me tenha sempre nas rédeas, com poder até mesmo pelo meu respirar, pois é para isso que respiro! Por Ela existo!

Existo para Seu prazer
Ajo pelo Seu conforto
Me movo para sua felicidade.

Quero ouvir todos os dias o que devo fazer! Pois a rotina silenciosa é o mesmo que o esquecimento de minha utilidade.
Estar só e agir, tomar decisões somente por minha vontade, mesmo que para agradá-la, é agradar a mim, antes de à Minha Senhora!
Devo passar roupa? Devo lavá-las? Quais? Que comida devo fazer? Devo servir como seu brinquedinho? Devo focar num canto quieto? Qual roupa devo vestir para Lhe agradar? Fiz tudo como fui Mandado fazer?



Me mostre, mande, ordene, ensine, corrija, castigue!
Mande-me realizar seu desejo, mesmo que seja deixá-la quieta, pois assim sei que estou atendendo-a. E nesse momento, em que me mandas ficar de lado, é um dos momentos que mais me provo submisso a Ti, pois o desejo de te tocar e te satisfazer é intenso, meu tesão e desejo de me satisfazer é enorme, e mesmo assim, o prazer de te obedecer é maior e se transforma no meu gozo e satisfação!

Não me deixe no limbo da rotina, no esquecer de minha utilidade. 
Não me deixe com falta de direção a ser tomada. Não me deixe ter controle sobre meu dia, sobre minhas decisões, sobre meu corpo!

Preciso que seja Minha Dona sempre, pois assim minha devoção a Ti é recompensada!
Sem tua força e teu comando sobre mim, minha devoção e dedicação se apaga e deprime. Viro o nada, pois não sei se sou útil ou inútil!

Não desejo ser e não sou dono de mim, Pertenço à Minha Dona e a Ela dedico minha vida, respiração, mente, alma! Quero que, quando me olho no espelho, não enxergue mais a mim, mas à Minha Senhora. Sou tua vontade e teu desejo.
Sou seu escravo e utilidade.

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Quando realmente sou um submisso - Parte 2/2

Como disse no post anterior, senti como nunca a necessidade e a felicidade de ser controlado e voltado totalmente a satisfazer os desejos, caprichos e necessidades da minha DONA, RAINHA M. Isso, até mesmo quando sozinho e mesmo depois de um bom período de tempo separado.
Meu tesão estava no limite e por vezes (2 apenas) gozei quando dormia.
Nesse momento, foi que percebi uma coisa: após gozar, por algum tempo, meu foco continuava na minha DONA, mas a intensidade de minha submissão era menor, pois só lembrava do sentimento de servidão como algo que me dava prazer e sentia falta de ser controlado por ELA, mas nos momentos que agia, o fazia por mim. 
A sensação latente de fazer algo por Minha DONA ia voltando aos poucos, dia após dia. E ao mesmo tempo, meu tesão também ia aumentando.
Por fim, senti, dentro de mim, algo que me surpreendeu. Minha vontade de gozar era menor que minha submissão, que minha vontade de servir bem Minha RAINHA M.
Essa sensação, me deixou surpreso, mas feliz. Nesse momento percebi que minha natureza era realmente ser submisso a Ela, seu escravo incondicional.
Senti que minha felicidade, plenitude como homem e prazer realmente estava diretamente proporcional ao quanto eu a servia, o quanto estiver sendo útil a minha DONA.
Aliás, nunca o sentimento de ser posse de alguém foi tão forte e límpido em mim. O sentimento de não mais ser dono de mim ficou claro como a água e saboroso ao meu prazer.

Nunca havia me sentido dessa maneira e contei à RAINHA M desse sentimento de não me pertencer mais e que prazer Dela ser mais importante que meu gozo. Pedi a Ela que se fosse de seu desejo, nunca mais me deixasse gozar e assim eu estaria sempre no meu limite e no quanto desejava ser servil a Ela. Esse seria meu prazer, serví-la é meu orgasmo, sentir-me útil é meu desejo.
Contei sobre a gaiolinha e o quanto desejava tê-la em mim, pois sentiria Seu poder real em mim, em meu corpo, aliás, no corpo que realmente pertencia a Ela.

Ser útil é meu gozo, servir à Senhora meu orgasmo.

Quando realmente sou um submisso? - Parte 1/2

Nesses últimos meses pude perceber algo de diferente para mim, em minha submissão. 
Passamos, eu e a RAINHA M (eu e minha mulher) por um período meio conturbado, e tivemos que nos distanciar fisicamente por um tempo. Nada houve entre nós, enquanto casal ou mesmo relacionamento /sentimentos, foram problemas de trabalho e financeiros. Os quais estamos superando, graças a Deus.
Pois bem, passamos quase 2 meses nos vendo pessoalmente pouquíssimas vezes, pois tive que ir a São Paulo, e dormia, esse tempo todo, na casa de meu irmão.
Bom, nesse período, a saudade, além de intensa, me fez sentir algo importante. Que, eu sem a RAINHA M, me perdia constantemente, pois sempre que me via só, e muitas vezes rodeado de pessoas, pensava Nela como referência de como agir. Não como, se Ela aprovaria ou não algo, mas como eu faria algo para agradar a ELA. Como se a presença Dela fosse real e eu estivesse lá a seu serviço.
Com isso, comecei a sentir necessidade de algo que me fizesse sentir Sua autoridade e presença sobre mim, pois me sentia servindo a Ela, mas sem efeito nenhum, como se a autoridade fosse algo da minha imaginação. Foi quando senti realmente falta da gaiolinha em meu pênis. Desde modo, a autoridade de Minha RAINHA seria sentia por mim, constantemente. Inclusive impediria que eu me tocasse, algo que acontecia sem eu querer dormindo e ao acordar. Meu tesão estava forte e muitas vezes acordei quase gozando.

Esse tempo a abstinência me fez ver que, minha devoção era enorme e que essa necessidade de ser controlado aumentava a minha gratidão e satisfação por ser submisso. E ainda mais por ser submisso da RAINHA M. Meu foco de prazer estava localizado na realização da satisfação Dela e não mais na minha satisfação. Minha satisfação resumia-se em servi-La e me sentir útil e usado por Ela.
Continua...


sábado, 27 de janeiro de 2018

Esposa + Esposo


Acima de tudo Esposa e Esposo.
Marido e mulher.
Somos tudo isso acima de tudo
Acima de tudo felizes
Acima de tudo prazer


Prazer em viver

Em compartilhar
Em somar
Em dividir
Em aliviar
Em amar


Homem e mulher

Não sei a quem agradeço por ter você como minha mulher.
Não sei o que mereci da vida por poder compartilha-la um você.
Fico grato sempre que posso dormir e sentir seu corpo junto ao meu.
Me torno pleno quando abro os olhos pela manhã e vejo que você está a meu lado.
Que prazer ao sentir que posso passear meus dedos em teu corpo, tua pele.
Gozo ao sentir que me olhas e também me deseja.


Sou ninguém se não consigo dar o que mereces.

Sou só,  se não te sinto sorrir.
Sou desmerecedor se fraquejo ao buscar tua felicidade
Sou fraco se não me empenhar por te dar conforto.
Sou feliz quando você sorri alto.
Sou completo quando te sinto tranquila.
Sou triunfante quando sou parte desses momentos.
Sou teu homem quando sou a causa desses momentos.
Tua força mantém nossa vida
Tua felicidade enraiza nosso amor
Tua tranquilidade estabiliza nosso mundo
Teu sorriso ilumina nossa casa
Diante de ti sou pequeno
Diante de ti sou sempre submisso. Diante e longe de ti, vivo para servir-te
Diante de ti, me motivo a ser instrumento de seu prazer
Longe de ti, preparo o mundo do jeito que você deseja



Para ti, me movo em saudação à Minha RAINHA.

Por ser assim, seu servo, seu devoto, me sinto útil e amado
Minha submissão a ti, me faz sentir teu homem
Homem de ti, MULHER! 

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

Sem sentido

É difícil dizer o que sinto.
Não sei fazer isso! Pelo menos não para fora de mim!
Quando sai de mim, minha boca parece dizer coisas banais, bobas e desnecessárias. Como se fossem sem importância, fracas!
Apenas justificativas para os outros se condolerem comigo.
Por isso nem consigo falar direito.

É como se fosse o momento em que a vida me apresenta o futuro.
Como se a vida também me mostrasse o flash back das vidas vividas.
Como se um fato tivesse desencadeado esse show de verdades.
Mesmo se esse fato, fosse o fato de eu ter finalmente parado um pouco meu ritmo e tivesse tempo de pensar e, por incrível que pareça, concluir e desenvolver esse pensamento em sentimento.
Hoje, mudei meu ritmo e a forma de me sentir útil.
A vida, talvez, tenha deixado de ser uma sequência de urgências e tornou-se tempo para viver.
Tempo para sentir que meu peito dói quando triste ou mesmo quando estou me esforçando em fazer algo.
Tempo para sentir que não deu tempo de me cuidar e preciso vencer o velcro das poltronas que sento prata poder me levantar.
Que meus músculos das pernas, outrora vendedores de distâncias inimagináveis quando eu quisesse, hoje me limitam a proximidades e limites de humor.
Sentir que, finalmente, existe algo que me confina e comunica algo que, no futuro, me fará não existir.
Como se "o que foi" , agora, é muito maior que "o que virá" .
Mas não estou pronto!
Mas não estou pronto?
Hoje, meus erros ficam claros.
Meus acertos, os amo e vivo com eles.
Alguns acertos, vindos de erros, os amo e desejo comigo, rezando para que um dia os possa abraçar, com o mesmo amor doado e recebido, sem a frieza quase ódio que sinto ao abraça-los com amor, e que me tira a força de insistir em retorna-los.
É a sensação dos fracassos anteriores que me desmotivam a tentar novamente.
É o tentar o novo, mesmo sem vontade, que me automatiza as ações e desmotiva a felicidade da conquista, prejudicando o incerto futuro e sustentação dos acertos que amo e vivo com eles!
É minha introspecção e falta de capacidade de colocar tudo isso para fora que deixa em dúvida quem me ama e que amo mais que tudo, e a faz pensar que não a amo e não desejo mais estar presente.
Houve tempo em que pude dar apoio a tristezas e depressões, que tornava minhas, por amor e vontade de ver feliz a quem amo.
Hoje...
Nunca precisei tanto de alguém comigo como preciso de ti, minha vida, meu amor, minha amante, minha Rainha.
Nunca precisei tanto de alguém como de ti! Mesmo que para apenas me abraçar e respirar junto comigo! Batendo seu coração junto com o meu.
Ser entendido no momento em que meu silêncio se torna um grito e só você tem como transforma-lo em suave sussurro.
Saber que o momento de gozo é a minha pele poder sentir a sua, quente, me repousando.
Esperar o tempo de recuperação para tornar essa angústia toda na felicidade que estamos acostumados e a transbordar.
Tenho medo de pedir desculpas.
Tenho medo que esse "eu", possa estar te cansando.,meu amor, e tirando as forças que tens, e acabe te distanciando de mim, ou mesmo te fazendo acreditar que não ama mais esse "eu". 
Se mereço bronca, que seja dada.
Se desejas amor, que me seja exigido.
Minhas respostas podem demorar, mas virão.
Agir diferente, só me distancia do que sou, do que vivo! Só me impõe todo isso como consolidado em minha vida.
Te amo mais que posso dizer em palavras, por isso ajo para te mostrar esse amor!
Sem ti e teu amor, sei que eu seria como um barco no meio do oceano, sem velas, sem remos e sem leme, não me importando aonde vou, ou se a água me afundaria. Apenas flutuando, mas sem porquê ser barco.

Não sei se coloquei tudo o que se passa comigo, mas coloquei.
Banal, bobo ou desnecessário, foi como consegui.
Não quero que isso tudo mudasse a forma de vida ou de agir sua para comigo! Não quero dó ou maleabilidades.
É como se eu tivesse uma ferida infeccionada e fosse dado remédio apenas o suficiente para que a infecção não alastrasse, mas também, não o suficiente para sarar, deixando ela sempre ali, doendo e presente.
Seja o remédio que preciso tomar, por favor, na dose e momento certo.
Mas, não seja o que não desejas. Não force, se não desejares.
Um momento, tudo voltará ao normal em mim.

Te amo.

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Momento

Esse momento, em que tenho que me conter. Conter minha submissão, minha vontade de toca-la, meu tesão e vontade de estar dentro de minha Dona, meu desejo de ser controlado e manipulado pelos caprichos Dela.

Esse momento em que estou só no nosso quarto e minha cabeça gira em pensamentos de estar a espera de minha Dona e perdido por estar só comigo, sem utilidade ou razão. Quando a cabeça se volta ao imaginário e se perde em êxtases de ser útil à Dona de mim e ali encontra conforto pois está sendo útil a Ela, mesmo que em sonhos acordados (e excitados).

Nesses momentos é que me vem a certeza de ser feliz como objeto teu, por ser devoto sempre a ti, buscando, cada momento a mais, a plenitude de ser útil aos caprichos, desejos e vaidades da Dona de mim. Então entendo a plenitude que me invade por não mais pertencer a mim mesmo, mas sim de ter me entregado voluntariamente por amor a Ti, como brinquedo Teu, escravizar-me a tuas vontades, submetendo - me por desejo a servir-te para quando, como e onde quiseres meus serviços, meu corpo, teu brinquedo.
Nesses momentos, sou feliz e pleno por amar a Minha Senhora e Dona e ter forças para deixar de lado minhas vaidades, desejos, conforto e prazeres para ser posse Sua.
Sou feliz e amo - Te.
Sou escravo Teu, Rainha M.

TEU

Teu corpo, minha espera.
Tua vontade, meu movimento
Teu desejo, minha meta

Teus pés, minha adoração
Teus seios, meus suspiros,
Teu sexo, meu sabor

Teus olhos, minha meditação
Teu sorriso, minha felicidade,
Teu cabelo, me percog

Teus ombros, meu suspiro
Tuas costas, meus beijos
Teu ventre, meu descanso.